Facebook Pixel
Criança

Por que estabelecer limites é tão importante para as crianças - e como fazê-lo com sucesso

Os limites criam clareza, proporcionam segurança e dão às crianças a liberdade de que necessitam para se desenvolverem. Mas o que você faz se seu filho ainda não segue as regras? Como estabelecer e impor limites. Um artigo convidado de Mar Wieland.

O estabelecimento de limites oferece protecção e segurança às crianças.

Desde que haja limites, as crianças podem ir em segurança. Foto: Simon Studler - Unsplash

Quando estamos juntos com crianças, os limites são um importante pivô para um bom relacionamento. Muitas vezes eles se tornam o ponto focal onde as emoções se inflamam de todos os lados. Tanto as crianças como os adultos atingem os seus limites.

No tempo após o nascimento, mãe e filho formam uma simbiose. Esta proximidade íntima, emocional e física é o terreno fértil para um desenvolvimento saudável. No entanto, para que isso seja bem sucedido, também é necessária a separação mútua. Lentamente, uma sensação de "eu" e "você" emerge para a criança. São necessários cerca de dez anos de vida para se ter uma clara consciência dos próprios limites.

Os adultos estabelecem limites - as crianças agradecem por eles

E em nenhum lugar os nossos limites se mostram tão claramente como na família. A mistura de amor, proximidade, responsabilidade e dependência cria fricção emocional e leva repetidamente a violações dos limites um do outro. O conselheiro educacional dinamarquês Jesper Juul tem razão quando diz: "O sentimento de culpa é mais baixo e a auto-estima mais forte - para todos os envolvidos - quando os adultos lideram o caminho e dão o tom".

Os pais devem estabelecer limites para os seus filhos. Estruturas de orientação, regras sensatas e limites claros têm um efeito comprovadamente positivo no desenvolvimento psicológico das crianças. Estes incluem: Rituais de ascensão e adormecer, seqüências claras como chegar em casa/hora de dormir, lavar as mãos antes de comer, escovar os dentes e colocar os pijamas antes de dormir, tempo de leitura igual a eletrônica (30 minutos de leitura = 30 minutos de TV ou Playstation), o quarto dos pais não é uma sala de jogos, etc.

Por que estabelecer limites é importante

1 Os limites oferecem protecção e permitem a liberdade. Se os limites forem mutuamente respeitados e cumpridos, isso aprofunda a confiança mútua. Isto torna possível aos pais dar aos seus filhos a maior autonomia possível.

2 A autonomia permite que espaços livres sejam experimentados e descobertos. As crianças gostam de voltar dos seus espaços livres se depois podem dizer se querem. Por outro lado, os pais que mantêm seus próprios espaços livres podem se aproximar de seus filhos novamente, fortalecidos e refrescados, com a distância interior necessária, abertamente. Os espaços livres criam um verdadeiro compromisso e um sentimento de pertença.

3 Os limites precisam de regras significativas, claras e concretas. As regras permitem uma convivência construtiva. A consequência consistente é o giz para desenhar linhas de fronteira claras.

4 As regras e limites devem poder mudar com o tempo, porque dependem das condições atuais e crescem com o desenvolvimento da criança.

Estabelecer limites é difícil, mas vale a pena.

Não ser consistente por falta de tempo, transformar um não num sim porque não se tem coragem - paga-se sempre um preço elevado por isso! "Uma vez assim, outra vez assim, às vezes assim e hoje assim... "desestabiliza a criança. Ele já não sabe onde está. Os pais perdem a sua credibilidade e fiabilidade através da indulgência. A criança começa a procurar limites e a minar ou minar as regras existentes uma e outra vez. No final, os nervos dos pais tremem, eles estão constantemente no limite, as crianças se rebelam e todos se sentem infelizes. Com uma regra importante, porém, estabelecer limites torna-se muito mais fácil, mais autêntico e habitável.

Regra número UM ao estabelecer limites: Respeito

Respeito por mim mesmo, minhas necessidades e meus sentimentos. Porque só se eu me respeitar é que o meu filho me respeitará. O respeito é expresso numa postura corporal atenta, no modo de ouvir, na presença atenta e no uso atento da linguagem. Desta forma, eu, como adulto, posso defender meus limites e perceber e entender melhor os limites do meu filho. Quanto melhor nos conhecemos a nós mesmos e quanto mais pessoalmente podemos expressar nossos limites, mais amigável e alegre se torna a nossa união.

Ferramentas eficazes para a travessia de fronteiras

Mas o que fazer depois de uma linha ter sido ultrapassada? Estas cinco ferramentas ajudam.

1 O espelhamento tem um efeito esclarecedor e facilita conversas significativas

Exemplo 1: A criança não tem vontade de pendurar o casaco ou de pôr a mesa. Os pais podem conscientemente espelhar esse comportamento, por exemplo, "não se sentindo como" preparando o jantar.

Exemplo 2: A criança nunca chega a casa a tempo. Deliberadamente não aderir a um acordo e deixar a criança esperar sozinha por alguns minutos (dependendo da idade) pode fazer maravilhas. Neste caso, vale a pena - como uma rede de segurança - deixar um vizinho entrar no plano, por exemplo.

2 As consequências lógicas falam por si

Exemplo 1: Se a criança se atrasa para a escola e tem de resolver o problema com o próprio professor.

Exemplo 2: Se os dentes não forem escovados a tempo, o pijama não se veste - não há tempo para uma história para dormir.

3 Conseqüências são indispensáveis

Exemplo: Se os Legos não estiverem arrumados - ao contrário dos acordos - a caixa desaparece no armário durante uma semana.

Importante: As consequências não são ameaças e devem ser respeitadas. Se uma criança não quer sair do carrinho de compras, então os pais não podem repreender: "Então vou para casa sem ti!" porque a criança sabe que esta ameaça é um bluff, mas ao mesmo tempo há um medo silencioso de talvez ser abandonada afinal de contas.

4 Ignorar amigavelmente ajuda

Exemplo: Simplesmente ignorar e ouvir bluster, lamentos, repreensões, choro dramático (isto não significa choro real), possivelmente com a frase: "Estou ansioso para quando você terminar com isso, podemos fazer algo juntos".

Importante: A retirada da atenção não deve ser confundida com a retirada do amor. Retirar o amor faz mal à criança e a si próprio!

5 Tolerância zero aplica-se com

Abuso pessoal, gritar, bater, morder, cuspir.

Aqui é importante criar distância imediatamente. A criança pertence ao seu quarto ou aos pais, se eles próprios ameaçam perder a calma, retirem-se sem comentários, por exemplo, para o seu próprio quarto, para a casa de banho ou para o jardim. Desviar o olhar, ganhar distância, relaxar, pensar e fazer algo por si mesmo. Sempre útil: Beba lenta e deliberadamente uma chávena de chá antes de voltar a fazer contacto.

Autocuidado: Quando eu estou bem, o meu filho está bem

De acordo com Jesper Juul, a pergunta mais importante que todos os pais precisam fazer a si mesmos é: "Que limites preciso estabelecer à minha volta para me sentir confortável comigo e com os meus filhos? Como me demarco em relação a eles de tal forma que possamos estabelecer e ampliar o contato e a proximidade que todos desejamos"?

Com isto em mente, desejo-lhe a coragem de dar a si e ao seu filho o tempo que ele precisa para aprender com e do outro.

de Mar Wieland

AO AUTOR

Logotipo de Vida Familiar

Mar Wieland tem trabalhado como conselheiro psicológico individual desde 2006. Ela é membro da SGIPA (Sociedade Suíça de Psicologia Individual segundo Alfred Adler) e da SGfB (Sociedade Suíça de Aconselhamento). Em Seefeld, Zurique, ela oferece, entre outras coisas, aconselhamento educacional e aconselhamento para burnout. Anteriormente, ela trabalhou como professora do ensino médio em Zurique e no cantão de Aargau.

Você pode saber mais sobre Mar Wieland no site dela em www.wieweiter.com.